facebooktwitter

São diversas as histórias de dedicação entre os profissionais do IMREA, que faz parte da Rede de Reabilitação Lucy Montoro. Dessa vez, os motivos para comemorar são os 45 anos de HCFMUSP do cardiologista Dr. Paulo Yazbek Júnior, que atua na unidade do bairro da Vila Mariana, em São Paulo, desde os anos 90.

O Dr. Paulo Yazbek começou sua jornada profissional ao escolher cursar Medicina em Santos. Logo no início, procurou estágio voluntário na Clínica Médica do Dr. Luiz Venere Décourt e, ao se formar, prestou concurso para o Hospital das Clínicas. O próximo passo foi a atuação no Incor, a partir de 1977. Neste período, fez Doutorado em Cardiologia e também um estágio em Los Angeles, em 1982, no Memorial Hospital. “Essa experiência enriqueceu muito meu conhecimento na aplicação prática”, conta.

PauloYazbek

Em 1990, sua trajetória na Cardiologia seguiu para o bairro da Chácara Klabin, quando foi trabalhar na Divisão Médica de Reabilitação Vergueiro. “Com a colaboração da Dra. Linamara Rizzo Battistella e da Dra. Margarida Miyazaki, evoluímos muito na área da reabilitação cardiovascular”, relata. “Aqui, lançamos dois livros na área, feitos em colaboração dos colegas do Hospital das Clínicas e do InCor.” Os livros foram lançados em 1994 e em 2010, “Condicionamento Físico do Atleta ao Transplantado”, com a Dra. Linamara Rizzo Battistella, e “Tratado de Reabilitação”, também com a Dra. Linamara e a Dra. Livia Maria dos Santos Sabbag.

A modéstia não permite o Dr. Yazbek tomar para si todos os louros de seu empenho no IMREA. “A cardiologia é um trabalho importante para o pleno aproveitamento e maior eficiência da reabilitação pelo paciente, em um trabalho sempre em colaboração com os fisiatras”, afirma. E como é completar 45 anos de HC FMUSP? “Eu me sinto orgulhoso em pertencer a uma instituição deste tamanho e importância. Sempre desejei exercer a Cardiologia em colaboração com outras disciplinas e especialidades”, confessa, emocionado.

Na vida, o Dr. Yazbek se lançou a vôos ainda mais altos, literalmente. “Sou piloto privado e médico credenciado na ANAC”, revela. “Quero voar até os 80 anos. Mantenho até hoje minha licença de vôo e consigo ainda fazer passeios maravilhosos”. Em 2016, se deparou com um desafio: o médico, que tem duas filhas e três netos, fez tratamento para se curar de um linfoma. E como superou a doença? “O que me ajudou foi gostar de trabalhar e curtir a vida”, nos ensina Paulo.